LIMPEZA, MANUTENÇÃO, CONSTRUÇÃO E REFORMA DE JARDINS

LIMPEZA, MANUTENÇÃO, CONSTRUÇÃO E REFORMA DE JARDINS

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

MENSAGEM

A Árvore da Amizade sob as dificuldades da Vida

A vida é um jardim onde florescem árvores variadas.
Uma delas chama-se árvore das amizades que, de vez em quando, a gente precisa balançar para caírem as podres,
pois sabemos ser essa árvore muito resistente às diversas estações da vida cujas intempéries fazem apodrecer
os frutos inconsistentes.
As intempéries que as submetem são, a provação, o interesse próprio e o medo.
A provação deixa-nos indefesos, ainda que temporariamente, mas os frutos bons não se estragam com essa situação.
Toda provação tem uma medida certa, uma dosagem adequada à vida para nos florescer a esperança, a experiência
e a força (resistência).
Os frutos cuja essência é apenas o interesse próprio apodrecem indefinidamente.
O interesse próprio é a essência do orgulho e este se enfraquece na provação.
Submete-se ao poder da esperança, da experiência e da força e assim surge o medo.
O medo é a direção do orgulho que desconhece a resignação, a temperança, a prudência e a perseverança.
É o adversário da fé.
No meio da provação o interesse próprio é desmascarado e o medo denuncia as amizades podres.
De vez em quando precisamos balançar (observar) posto que, em verdade é a própria vida que se encarrega disso.
Devemos apenas estar atentos e aprender a crescer quando essas intempéries se apresentarem.
Assim como nós vemos na evolução da natureza, a árvore das amizades também seleciona os frutos que devem permanecer.

domingo, 22 de agosto de 2010

http://www.paisagismobrasil.com.br

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

sábado, 1 de maio de 2010

minhocário



« anterior página 4 de 4 »

 

Confecção de um minhocário !


Minhocario
fonte: ESAM


Materiais necessários para cada minhocário:

Uma garrafa pet de 2 litros e uma menor de água mineral brita ou pedrinhas, terra, saco de lixo preto, minhocas.

 

Procedimentos:

Corte a garrafa pet tirando o bocal.

No fundo da garrafa pet coloque brita (não há necessidade de furar o fundo da pet). 
Sobre a brita coloque a garrafa menor (com água e tampa) dentro da garrafa pet.

Ao redor, despeje a terra e largue as minhocas.

Após terminar, utilize um saco de lixo escuro para envolver a garrafa, pois as minhocas não são acostumadas com claridade.

Não é necessário molhar, pois a garrafinha com água fornece umidade para a terra, a não ser que seja uma região de excessivo calor, molhe de vez em quando, podendo colocar alguns lixos orgânicos sobre a terra para alimento das minhocas.

Depois de dias, ao tirar o saco de volta da garrafa poderemos observar os caminhos das minhocas bem definidos.
Volte a cobrir com o saco de lixo evitando a luz para as minhocas.

 

 

Confecção de mini-hortinhas com garrafas pet

Materiais necessários:

garrafas pet, tesoura, terra, mudinhas ou sementes.

 

Sementeira
fonte:EduardoJaco

Procedimentos:

 

Deite a garrafa pet e corte um dos lados da “barriga” da garrafa, sem atingir o fundo nem a boca da garrafa.
Faça pequenos furinhos no fundo e coloque terra.
Em seguida, plante as sementes ou as mudas e é só cultivar com cuidado.
Como suporte podemos usar caixas de ovos para que não fiquem diretamente no chão e, de tempos em tempos, estes suportes poderão ser substituídos, pois podem apodrecer com a umidade que escorre do excesso da água pelos furinhos da garrafa.

Escrito por Berenice Gehlen Adams

Aprenda a fazer compostagem em casa

Aqueles com pouco espaço e pequena produção de resíduos podem optar pelas composteiras em quintais, varandas ou garagens. Elas podem ser construídas com materiais disponíveis, devem permitir a circulação do ar e comportar volume mínimo de um metro cúbico.

A caixa, conhecida como neozelandesa, é a mais tradicional. Trata-se de um engradado sem fundo e tampa e com laterais removíveis (tábuas encaixadas). Um tamanho padrão é o de um metro na base por um metro de altura. Você pode trabalhar com uma caixa, que será montada e desmontada para continuar a compostagem, ou fazer duas ou três unidades. A passagem do material de uma composteira para outra ajuda a homogeneizar a matéria, melhorando a aeração. 

Outra boa opção é o cesto telado, feito com tela de galinheiro reforçada com arame ou com tela de metal coberta com plástico.
ProcessoJá a compostagem em pilhas não exige equipamento especial, sendo o processo indicado para quem possui espaço e geração de grandes volumes. É a forma mais simples e barata.

O material deve ser acumulado em pilhas, colocadas em locais sombreados para evitar o ressecamento e protegido contra a ação das chuvas. O solo deve possuir boa drenagem, para evitar acúmulo de água embaixo das pilhas, o que provoca mau cheiro e atrai animais.

Faça primeiro uma camada de material seco de 15cm a 20cm, com folhas, palhadas, troncos e galhos picados. Na segunda camada, coloque restos de verduras, grama e esterco. Volte a fazer outra camada de material seco, seguida de esterco e assim por adiante, até atingir 1,5m. O amontoado deve ser plano para evitar acúmulo de líquido.

Adicione água ao montar as camadas. No primeiro mês, revolva o composto três vezes. Verifique sempre a umidade. O composto fica pronto entre 60 e 90 dias e deve ser peneirado em malha de 10mm a 30mm de diâmetro.

Para saber se o fertilizante está no ponto, faça o teste da água: deposite uma porção do composto em um copo. Se ele colorir a água de tons escuros, tendo partículas em sustentação, sua compostagem deu certo. Se o material se depositar no fundo e não colorir a água, ainda não está pronto.

Caso você resolva fazer da compostagem um negócio, a legislação brasileira determina que o fertilizante orgânico apresente mínimo de 40% de matéria orgânica, pH mínimo de 6,0, teor de nitrogênio igual a 1% e relação carbono/nitrogênio na proporção 18/1. Lembre-se de segregar o lixo orgânico com cuidado, sem contato com lâmpadas e pilhas, por exemplo, que contaminam o material com metais pesados.

SEPARAÇÃO CLÁSSICA
Úmido
Restos de cozinha, como cascas de frutas, sobras das refeições, talos e folhas de legumes, filtros de café, podas de jardins, grama, etc.
Seco
Todo o restante dos detritos (metais, vidro, papel e plástico)
fonte:casamundo.org.br

Compostagem - um adubo ecológico.



« página 1 de 2 próxima »

 

Como fazer composto orgânico em casa.

Texto e fotos da Eng.Agr.Miriam Stumpf.

gazanias

Nossos antepassados cultivavam a lavoura e faziam jardinagem utilizando os elementos de colheita que não serviam, como palha e folhas, enterrando para servir de adubo.
Com o uso de fertilizantes químicos muito deste uso parecia obsoleto mas tem sido resgatado com este novo conceito de agricultura orgânica que se espalhou pelo mundo.
O que nossos avós faziam e que agora tentamos repetir é a confecção de composto orgânico para uso no solo para reposição de nutrientes e um melhor desenvolvimento das plantas.

O que é composto orgânico? Do que é feito?

O que denominamos composto é uma mistura de resíduos oriundos de diversas fontes, aparentemente sem uso ou valor que pode ser reunido para a formação de um adubo.
A compostagem pode ser feita de resíduos vegetais de lavoura, aparas de grama e restos de vegetais oriundos da cozinha, esterco de animais vegetarianos, bem como de muitos outros materiais.

O que acontece no processo de compostagem

composto organico ou compostagem
Os materiais que tem os mais diversos tamanhos, formas e composição são misturados e colocados para decompor e passam por processos bioquímicos. 
Estes processos são realizados por microorganismos que utilizam este material como fonte de energia, absorvendo os ingredientes minerais e carbono. 
Ocorre a degradação deste material em presença de oxigênio e o produto é gás carbônico, água, calor e matéria orgânica utilizável pelas plantas. Nesta atividade microbiana o material aumenta a temperatura, ficando entre 50 e 70ºC.
O processo, conforme o manejo destes resíduos, leva em torno de 90 dias até 1 ano. Quanto mais revolvido for o material mais ar entrará na pilha e se a umidade estiver correta mais rápido será o processo. Também em climas quentes e no verão o tempo diminui pela maior atividade microbiana.

Como fazer composto orgânico


A nível de propriedade rural é feita em grandes leiras, em geral revolvidas com trator. 
Mas para quem deseja fazer em seu quintal, uma caixa de 1,0 x 1,0 x 1,0 metros sem fundo, direto no solo é mais do que suficiente.
Quem não tem muito espaço pode adquirir uma lata de lixo plástica grande e retirar boa porção do fundo para escoamento da água. 
Para cobrir, use uma lona ou chapa de papelão.

Passo a passo do preparo da compostagem:

Colocar os resíduos, alternando os vegetais com excrementos de animais herbívoros como gado, cabra e aves. 
Usa-se restos de cascas de cozinha bem picados, aparas de grama, pó de café e folhas de chá, erva mate, o papel de filtro do café, guardanapos de papel usados, cascas de ovos bem trituradas, papel branco bem picado, papelão de caixa de ovos bem desmanchada, correspondência descartável de papel branco.
Cinzas de lareira ou fogão, também podem ser colocadas mas em pequena quantidade. 
Quem tem tanque ou açude com plantas aquáticas, poderá aproveitar o excesso, pois estas dão excelente contribuição de nutrientes.
Cascas, folhas verdes de hortaliças, frutas, aparas de poda e estercos são considerados materiais verdes e são ricos em nitrogênio e carbono. 
Já os materiais do tipo papelão de embalagem de ovos ou de tubos de papel toalha ou higiênico rasgados, papéis brancos, ramos de poda e pó de serra são chamados de materiais marrons, têm mais lenta decomposição, mas contêm muito carbono.
A proporção recomendada pela Embrapa é de uma relação de 75% de restos vegetais dos dois tipos para 25% de esterco animal.

 

A composteira

composteira

Com tábuas e sarrafos pode construir uma no seu quintal. Um dos lados fica aberto e pode ir adicionando tábuas à medida que a pilha crescer. Facilita o revolvimento e a retirada depois do composto. Não pode ter fundo, a pilha fica em contato com o solo. Se quiser ajudar na percolação das chuvas e da água do composto, faça uma cama de areia de construção embaixo, antes de começar a colocar os materiais para compostagem.
Quando colocamos materiais de pedaços muito grandes, a aeração da pilha será maior, com mais oxigênio, mas também levará mais tempo. 
Pedaços menores decompõem mais rápido. A mistura de tamanhos será então mais benéfica.
A cada camada colocada, adicionar areia ou terra em camada fina, para evitar a proliferação de moscas. 
Umedecer a mistura sem encharcar, para que os microorganismos comecem a trabalhar. Cobrir sempre é bom, evita molhar demais com chuva e também a não dissipar odores. O teor de umidade deverá ficar entre 40 e 60%, isto é, levemente molhado.


Pragas de Jardim



« anterior página 1 de 1 próxima »

Devoradores das plantas

Texto e fotos da Eng.Agr.Miriam Stumpf.

O caracol. Assim como as lesmas, elas comem as plantas.


Tatuzinhos e lesmas

Tatuzinho de jardim, bicho de conta ou tatu bolinha


tatu-bolinha ou tatuzinho de jardim     

Outros “bichos’ costumam aparecer e esconder-se entre as plantas, como o bicho-bola, conhecido também como tatuzinho.
Esconde-se entre pedras e restos de plantas decompostas. 
Aprecia plantas recém plantadas, comendo a base do colo junto ao solo.
Seu combate é difícil, mas podemos tornar o meio ambiente desagradável para ele, limpando bem os canteiros de plantas fenecidas e não fornecendo abrigos onde se esconda.


Lesmas e caracois


Coloque substrato sem adubo
Quem também aprecia lugares úmidos e escondidos é a lesma (veja foto), com caracol ou sem, comendo vorazmente as plantas, principalmente após uma chuva.
Além da catação que o jardineiro pode fazer, também poderá usar iscas atrativas.
Faça o seguinte: corte o gargalo de uma garrafa PET pequena, coloque leite ou restos de refrigerante ou cerveja, juntando sal. 
O alimento atrairá a lesma e ela morrerá por desidratação. 
O uso de cinzas de fogão ou lareira espalhados sobre os canteiros também ajuda a repelir.
Existe no mercado venenos para lesmas, mas sempre que puder evitar seu uso, o meio ambiente agradecerá.

De lagartas a borboletas

completando o vaso da samambaia azul com mais substrato

Você aprecia o vôo das borboletas, de flor em flor, à busca do néctar?
Aprendeu na escola que a borboleta ajuda na polinização assim como as abelhas. 
Sua fase inicial, após eclodirem do ovo é a lagarta, de muitas formas, tamanhos e cores. 
Algumas são perigosas. 
Quanto mais “enfeitada”, com espinhos, coloridas e com chifres, mais danosas serão se você tocar nelas, podendo causar alergias e ferimentos.
Estas estruturas, odor e substâncias segregadas são a sua defesa, pois lagartas são presas de pássaros, que, no entanto evitam estas assim armadas.
A borboleta, fase adulta do inseto, é seletiva quanto à ovoposição, apenas algumas plantas são as escolhidas como hospedeiras.

Coloque substrato sem adubo
Elas apreciam, entre outras plantas um arbusto delicado de nome penta (Penta) e o manacá-de-cheiro (Brunfelsia) . 
A penta, inclusive, é uma das plantas cultivadas dentro de borboletários.
Se você detesta e tem medo de lagartas, ou há crianças em casa que gostam de mexer nas plantas, evite ter então as que atraem a fêmea da borboleta que irá procurar em outro lugar a planta-hospedeira para sua prole.
Se, pelo contrário, gosta de ver borboletas no jardim, quando topar com uma lagarta destas serpenteando no chão atrás de comida, coloque-a no canteiro.
Logo fará um casulo, e ficará como uma bela adormecida, esperando a glória da metamorfose, transformando-se de bicho feio a uma bela e efêmera criaturinha alada.